TRIZ E SEU RAP VISIONÁRIO

12 janeiro 2018

Artista nem mulher nem homem.

Foto: Divulgação

A música desta semana tem caráter ativista, a artista ainda não é tão conhecida na grande mídia, mas já acumula um grande público por sua representatividade. Antes de mais nada gostaria de afirmar que não sei qual artigo usar pois quem canta a música afirmar ter gênero neutro, assim "a" ou "o"  não o determina. 
A música intitulada ELEVAÇÃO MENTAL levanta o debate sobre gênero, foi escrita e é interpretada por Triz, rapper paulista de apenas 18 anos. O "apenas" se deve pela ousadia de nessa idade se expor e colocar com tanta verdade e intensidade   uma temática tratada como tabus para alguns. Logo no inicio há um pedido de respeito a sua identidade de gênero.

"Família, primeiramente eu queria deixar bem claro
Que eu não to aqui pra representar o rap feminino não, certo?
E muito menos o masculino
Eu to aqui pra representar o Rap Nacional
E eu peço que respeitem a minha identidade de gênero, demorou?"
foto: Divulgação

 Cada estrofe é uma provocação para que possamos perceber uma outra realidade, a opressão cruel e homicida na qual sofrem todos os dias os membros da comunidade LGBT, que possui  índices alarmantes  de assassinatos no país, tudo levado pela intolerância. A letra afirma que é preciso abrir a mente ( ser visionário)o mundo é de todos, todos tem o seu espaço.
Foto reprodução/ Facebook
Triz possui identidade de gênero transgênero não binário, não se identifica nem como homem nem como mulher. De fato é difícil entender, mas como a letra mesmo diz você só precisa ter respeito, o preconceito sofrido pela a artista é exposto ao logo da letra, as formas nas quais tentam lhe humilhar lhe ridicularizar e esquecem de ver o principal; sua essência.

"Você me insultou julgando minha aparência
 Só se esqueceu de ver o brilho da minha essência.
 Falou do meu cabelo, meu dente separado..."

A música possui a batida característica do rap, o refrão o ponto alto objetiva tocar de fato as pessoas com uma melodia mais suave e melódica quase como um sussurro de socorro na busca por respeito.
REFRÃO:

"O preconceito não te leva a nada
Não seja mais um babaca de mente fechada
Por que o ódio mata, só o amor sara
De qual lado cê vai ficar?"

Está é a dica da semana, pode parecer pesado para alguns, mas envolve muita verdade e emoção, as minorias ganham voz e precisam ser ouvidas ser visionário é uma necessidade. Espero que possamos ver Triz ainda muito no cenário nacional, seu talento é inquestionável.