24 novembro 2017

25 DE NOVEMBRO DIA MUNDIAL DA NÃO VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER


Em todo o mundo  mulheres são vitimas de violência, muitas justificadas por ordens culturais ou religiosas; abuso verbal, emocional,  físico, sexual. Seja qual for a sua forma, possui números alarmantes.

Foto: Christopher Campbell
A realidade das mulheres vitimas de violência é assustadora, com o objetivo de combater essa prática em 1999, a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas instituiu 25 de novembro como o Dia Internacional da Não-Violência Contra a Mulher, em homenagem às irmãs Pátria, Minerva e Maria Teresa, militantes conhecidas como Las Mariposas, que lutavam contra a ditadura de Rafael Leônidas Trujillo Molina, ex-presidente da República Dominicana. As irmãs foram presas juntamente com seu maridos, como a prisão causou forte comoção o ditador foi obrigado a liberta-las, mas por trás da ação havia um plano de assassina-las. 


Em 25 de novembro de 1960, as irmãs foram assassinadas na volta de uma visita a seus maridos na prisão. Vítimas de uma emboscada, foram levadas para um canavial e foram apunhaladas e estranguladas até a morte. Diante do martírio o povo dominicano resolve se somar na luta pelos ideais democráticos das Mariposas o que desencadeou um protestos em massa e contribuiu para a queda do regime de Trujillo em 1961.

Neste dia voltado para discussões em torno do assunto da não violência contra a mulher, nos questionamos sobre quantas mais deverão ser mortas, mutiladas, humilhadas para de fato haver ações de garantia de direitos? Quantas mais devem entrar na estatística? 

A ONU estima que, no mínimo, 5 mil mulheres são mortas por crimes de honra no mundo por ano. 

70% de todas as mulheres do planeta já sofreram ou sofrerão algum tipo de violência em, pelo menos, um momento de suas vidas — independente de nacionalidade, cultura, religião ou condição social (ONU).

Mais de 100 milhões de meninas poderão ser vítimas de casamentos forçados durante a próxima década, segundo estudo do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

Mais de 135 milhões de meninas e mulheres vivas já foram cortadas nos 29 países da África e Oriente Médio, onde a prática está concentrada. A ONU estima que até 2030 mais de 86 milhões de meninas ainda serão mutiladas. Em média, 6 mil mulheres por dia sofrem mutilação genital.


Já falamos aqui sobre a  lei do Feminicídio que define quais são as formas de punições para quem assassinar uma mulher assim como a  Lei 11.340/06 , conhecida como lei Maria da Penha. Mas sabemos que as alterações legais não inibiram a prática desse tipo de  violência no Brasil. A prevenção se faz necessário. Mas quando ocorre, a efetividade da lei precisa de fato acontecer os serviços essenciais devem atender as necessidades das mulheres e meninas, vale sempre lembrar que lei não é garantia de direitos. 

23 novembro 2017

LEVANTANDO A AUTOESTIMA: DICAS BÁSICAS DE MAQUIAGEM

Maquiar não deve ser obrigação e sim prazer, assim como tudo na vida. Esta é uma forma de arte, é como um artista ao pintar uma tela fazendo uso de tons, subtons, degradé, pincéis, cores...


Você não precisa ser uma profissional, e saber de todos os detalhes necessários para uma boa maquiagem, tão pouco  ter uma maleta cheia de itens para ficar bem produzida. Com batom, lápis e rímel, já conseguimos sair do básico e realçar o visual. Para quem gosta de uma pele com aspecto mais saudável e de corrigir imperfeições; base, corretivo, pó e blush não podem faltar. Vamos conhecer esses itens um pouco mais.


Lápis 


Dentro das suas variações, preto, branco e nude, pode ser usado na linha dágua ou rente aos cílios. Hoje o meu preferido é o lápis preto da Natura Una, sua aplicação é pratica desliza facilmente por ser suave e por ter toque aveludado , e ainda, possui cor intensa não borra facilmente, e o melhor, possui longa duração. O retrátil da linha MakeB de O Boticário e o Ultra Color da Avon, assemelham -se  mas perdem em qualidade ao que refere-se a duração.

Batom



Passar batom parece fácil, mas não é tão simples assim. Não tenho um preferido, porém os líquidos é uma ótima indicação, pela cor ser mais intensa, e ser de fácil aplicação pois com o próprio aplicador podemos fazer os contornos. Falando em contorno, esse é o segredo de um bom uso do batom. Desenhar a boca realça os lábios e deixa a maquiagem ainda mais bonita, com cores fortes como o vermelho e o vinho, esta  uma regra indispensável.

Rímel



No mercado existe vários tipos de rímel, para alongar e dar volume, mas o segredo de tudo esta na aplicação, construir camadas e fazer movimentos de zig zag é uma ótima dica. Já usei de muitas marcas, não tenho preferidas. Apenas não indico o da    Belle Angel que comprei  pela praticidade de ser dois em um: rímel e delineador,  mas que pude constatar que não vale o investimento, o produto não é bom, depois que seca craquela soltando pequenos fragmentos que estragam a maquiagem.

Base



A base tem a função de uniformizar o tom da pele, particularmente não gosto de bases com alta cobertura a maquiagem tem que ter o aspecto o mais natural possível achar o tom ideal para seu tom de pele e aplicar pequenas quantidades é uma ótima dica. Das que faço uso a da Ricosti é a que menos gosto sua cobertura deixa um aspecto muito artificial, a da Mary Kay é muito boa, uma das melhores, porém não é muito favorável para fotos.

Corretivo




O corretivo tem a função de cobrir falhas nas quais a base por si só não cobriria, como as indesejáveis olheiras. Hoje existe pigmentações com diferentes finalidades, os chamados corretivos camufladores, mas seu uso mais comum é para iluminar a maquiagem, os da Ruby Rose são os meus preferidos para esta finalidade, já para cobrir falhas este perde em qualidade. Atualmente nas correções uso a paleta da Playboy com 8 pigmentos uma dica para usar esta paleta é dissolver os corretivos com o demaquilante da Nívea caso contrário podem craquelar no rosto.



O pó tem a função de selar a base e o corretivo, o meu preferido é o pó solto translúcido da linha Skin Perfection da Eudora, depois que comecei a usa-lo não quis mais saber de outro. Mas deve-se ressaltar que devemos ter cuidado ao usar e ao escolher um pó translucido, na duvida é melhor escolher um que se aproxima do tom de sua pele.

Blush



O blush tem a função de dar um aspecto mais saudável a pele, a aplicação deve ser com pequenas quantidades e esfumando. Nunca esqueça que na maquiagem menos é mais. Na escolha do produto prefira os de efeito matte e suave, atualmente uso o trio de blush da linha Skin Perfection da Eudora,  que além de ter essas qualidades, conta com três tons que podem ser usados separados ou juntos. 


A maquiagem tem a função de realçar a beleza natural com pequenos truques. Esta é uma ótima aliadas para aumentar a autoestima da mulher; algumas mais radicalistas acreditam que é apenas mais uma forma de imposição social, idealizados pela mídia para estimular a indústria de cosmético. Já eu tenho a maquiagem como um acessório que confirma a personalidade e o estilo que queremos de acordo com a ocasião.

17 novembro 2017

MULHER DISSIMULADA E FATAL

 Descrita como aquela que usa seus dotes físicos e sexuais, para conseguir o que almeja sendo traiçoeira, ardilosa e oportunista. 


Em muitas situações a mulher é colocada como a perdição do homem capaz de destruí-lo de forma dissimulada e fatal. Este como todos os estereótipos em torno da figura feminina é bem antigo e ganha força tendo como base um preconceito muito comum; o de se achar que, a figura da mulher estaria diretamente associada ao pecado, seja pela narrativa do Gênesis, em que se tem Eva como aquela que induz Adão ( o primeiro e mais puro dos homens) a pecar, ou seja pelo corpo feminino, que poderia levar à luxúria.




O corpo feminino, com suas curvas e seios avantajados podem destruir famílias e levar um homem ao declínio, segundo o clichê da mulher dissimulada e fatal essa destruição esta relacionada a sexualidade. Resumindo a mulher leva a culpa do homem não conseguir, ou não querer controlar seus impulsos sexuais. 

Na concepção religiosa analisando a bíblia sagrada podemos tentar entender o conceito de mulher como símbolo de fraqueza humana. No livro de gêneses temos a narrativa da primeira mulher seduzida e persuadida pela serpente. A serpente escolhe a mulher julgado o elo fraco e não o homem, que por sua vez não foi fraco e sim foi induzido pelo poder demoníaco feminino.
A sensualidade e sexualidade da mulher deve ser reprimida a fim de preservar o homem, vitimado desde o pecado original. A bíblia que segundo a fé cristã foi escrita por Deus e os homens, trás varias passagens que colocam as mulheres nesta situação, ( essas com certeza foram as partes escritas pelos homens). Não quero aqui falar de religião e fé assuntos que julgo inquestionáveis, cada um deve vivê-la da forma que melhor lhe convém, mas é incontestável que muitos dos estereótipos voltados para a mulher ganham força no discurso religioso.

Toda pessoa, seja homem ou mulher, é dotada de diferentes facetas, estereotipar alguém limita o olhar sobre esse alguém e é desse ponto que surgem os preconceitos que limitam e oprimem. Há tanto preconceito entorno da imagem da mulher, que mesmo com todos os avanços e conquistas esta ainda é inferiorizada, mesmo que de forma velada. Este é apenas um em meio a tantos rótulos femininos que existem que surgem e ganham força através do tempo. 

15 outubro 2017

PREFIRA UM AMOR FEINHO

Perfeição é ilusório ser realista é uma necessidade quase que vital, só não é tão simples quanto respirar.


Diante das adversidades da vida nos torturamos e nos martirizamos de tal modo que ficamos atônicos por demasiado tempo. Estas situações são frutos, na maioria das vezes, de nossas inter-relações. Mas conviver é um mal necessário, é o que nos permite ser quem somos, é na convivência que somos moldados, e neste processo incluí a decepção, é nesses momentos que aprendemos lições importantes, o fato respalda a frase de efeito que diz que a "dor precisa ser sentida." 

A decepção é trivial, esta sempre relacionada as pessoas que amamos, nestas colocamos muitas expectativas e acabamos criando uma imagem que não existe . Embelezamos demais e deixamos de ver o feio.  Adélia Prado poetisa brasileira do século XX, trás esta percepção da realidade, com seu realismo que se destaca no poema   "Amor Feinho," que faz parte do seu livro de estreia Bagagem publicado em 1976.

AMOR FEINHO

Eu quero amor feinho.
Amor feinho não olha um pro outro.
Uma vez encontrado é igual fé,
não teologa mais.
Duro de forte o amor feinho é magro, doido por sexo
e filhos tem os quantos haja.
Tudo que não fala, faz.
Planta beijo de três cores ao redor da casa
e saudade roxa e branca,
da comum e da dobrada.
Amor feinho é bom porque não fica velho.
Cuida do essencial; o que brilha nos olhos é o que é:
eu sou homem você é mulher.
Amor feinho não tem ilusão,
o que ele tem é esperança:
eu quero um amor feinho.

(Adélia Prado)



Vale enfatizar que o feio que a autora coloca é o tolerável " feinho" o que explica a palavra no diminutivo, uma relação que inclua sofrimento e dor, é um sinal de alerta para abster-se de algum modo desta, caso contrário quanto mais feridos formos mais debilitados ficamos e mais dificuldade teremos para seguir em frente.

Hoje somos independentes, capazes de decidir a própria vida, seguras de si, no entanto quando se trata do amor somos vulneráveis. Querendo ou não dentro de nós existe uma mocinha romântica é preciso ser realista tal qual respalda o poema, já falamos sobre isso aqui no blog em  Prazer me chamo Alice, somos todas Alices!

 O amor é maravilhoso, porém não é perfeito, perceber o feio nos permite CUIDAR DO ESSENCIAL, manter relações sólidas, ou perceber se vale apena, pois o amor feinho não é aquele que lhe faz mal, com relacionamentos tóxicos, este é realista não vive de deslumbre. É PRECISO  ELUCIDAR  O AMOR, é  preciso perceber o feio, para saber aproveitar o belo e não se magoar tão constantemente. 

14 setembro 2017

LETICIA SANTOS, MULHER PEQUENA DESBRAVANDO SEU ESPAÇO


Pessoas com nanismo tem que lidar com as limitações do dia a dia, tarefas simples, como pegar algo no armário, subir em uma cadeira, mudar o móvel do lugar, subir escadas e tantas outras coisas que para a maioria de nós passam despercebidas, acabam representando significativos obstáculos. Mesmo com todos os subterfúgios usados por estes para driblar as dificuldades, fora do lar tudo é ainda mais desafiador, pois além de ter que contornar das limitações de acesso  que se fazem percebidas em situações como chamar um elevador, usar o caixa eletrônico, comprar roupas, calçados e tantas outras, tem-se ainda o preconceito.

Leticia Santos/  arquivo pessoal

O preconceito latente relacionado as pessoas pequenas, as limitam ainda mais. Leticia Santos, curitibana de 23 anos, conhece bem essa realidade. Medindo 91 centimentros, por conta do Nanismo condrodiastrófico, (Nanismo raro causado pela ruptura do crescimento dos ossos longos), ela afirma que não há espaço  para pessoas julgadas "diferentes", mas isso não a impende de busca-lo, tudo parte do aceitar-se.

"Na adolescência tive muita dificuldade em lhe dar com minha autoimagem, esta é uma fase em que a aceitação cai em questionamento ainda mais portando alguma deficiência. Mas enfim passou aprendi a ser eu mesma, e gostar de mim assim. Olhares e comentários maldosos não me afetam." Afirma a jovem.
Leticia Santos/ Arquivo pessoal

Nanismos é um distúrbio que se caracteriza pela falha no crescimento, na qual a pessoa, seja homem ou mulher, apresenta baixa estatura comparada a  pessoas da mesma idade e sexo, embora os aspectos físicos sejam afetados, as habilidades intelectuais mantem-se preservadas, podendo-se manter uma vida significativamente normal. Embora a sociedade não os vejam assim, estes podem assumir diferentes funções sociais, mas ainda hoje muitos acabam sendo vistos como anomalias ou engraçados, tendo oportunidade, na maioria, dos casos apenas no entretenimento. 

Por essas razões Leticia não possui um  emprego fixo, atua como maquiadora de forma autônoma, e em suas redes sociais divulga seu projeto – RAPAS E BATONS, que tem por objetivo exaltar a vaidade de mulheres com deficiência ou não, que muitas vezes escondem seu lado mulherão, por medo ou vergonha.
Leticia Santos/ Foto arquivo pessoal

Na medida do possível ela consegue levar uma vida de forma normal. Sobre seus relacionamentos ela afirma que embora   muitos não acreditam que pessoas com nanismo possam manter um relacionamento amoroso, ela namora há três anos. “Sempre me perguntam se meu namorado possui estatura normal. Sim ele é normal e nosso relacionamento também!” Enfatiza ela.

Leticia se aceita e não tem receios em ser quem é, e deixa um recado a nossas amigas leitoras: “ Acredite em você, se cuide, se aceite e se ame! A vida é uma só para ficar se lamentando... Viva!!!"
Leticia Santos/ Foto arquivo pessoal

E a você que julga-se diferente, só posso afirmar que o mundo séria muito sem graça se todos fossemos iguais. O seu diferencial a torna autêntica, seja tenaz diante de tudo que à limita.             
Para conhecer um pouco mais sobre Leticia, acesse suas redes socias.
Facebook: Leticia dos Santos
Instagram: @lelerampaebatons

06 setembro 2017

SETEMBRO AMARELO, A MELHOR FORMA DE PREVENIR O SUICÍDIO É FALAR SOBRE

Para muitos não parece agradável refere-se a quem se matou ou quem tentou se matar, seja por valores religiosos ou culturais, ou ambos os casos. Mas tentar entender o que faz uma pessoa cometer tal ato, conversar e levantar discursões sobre o assunto faz-se necessário, desta forma muitas outras vidas podem ser salvas.




Suicídio é um caso de saúde publica, a morte voluntária é a segunda maior causa de óbito no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS),cerca de 800 mil pessoas tiram a própria vida todo ano. Enquanto você ler esta postagem alguém pode esta cogitando ou tirando a própria vida. 

Todos nós temos um amigo conhecido, ou parente que já foi vitima de suicídio. Sim, vitima! Embora ouçamos que tentar contra a própria vida desqualifica o ser humano, com afirmações que seja falta de Deus ( fato que faz com que o assunto seja negligenciado) nestes casos a pessoa é vitima de se mesma. A presença de um transtorno psiquiátrico, em especial a depressão é a causa da maioria dos casos.

Depressão é um assunto sério, e deve ser diagnosticada e tratada como qualquer outra doença, muitos desconhecem o assunto e não procuram ajuda quanto mais falarmos sobre o assunto mais vidas serão salvas. Segundo a OMS, 90% das pessoas que se suicidam apresentavam algum desequilíbrio, como depressão, transtorno bipolar, dependência de substâncias e esquizofrenia – e 10% a 15% dos que sofrem de depressão tentam acabar com a vida. 

Por este motivos ações voltadas para conciêntização fazem-se necessárias e aproveitando o ensejo do dia 10 de setembro ser o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, o mês todo é voltado para esta causa com a campanha Setembro amarelo, com o objetivo de falar do assunto fazendo com que as pessoas se identifiquem e busquem ajuda, pois o primeiro passo para a prevenção é falar sobre, sem medos, sem receios, sem tabus.


Fontes: OMS (Preventing Suicide: A Global Imperative), http://www.setembroamarelo.org.br


23 agosto 2017

O DRAMA DE UMA GERAÇÃO; FILME JUVENTUDES ROUBADAS


O filme da semana é uma história de guerra baseado em fatos reais, através do olhar feminino de Vera Brittain, escritora Inglesa que faz um panorama histórico do terror e as perdas causadas durante a primeira guerra mundial. O roteiro tem como base o seu livro intitulado Testament of Youth, lançado em 1933. 

Foto reprodução
foto reprodução

O filme britânico lançado em 2015 intitulado, JUVENTUDE ROUBADAS aborda diferentes assuntos de cunho social, tendo a guerra como tema central e seus efeitos na vida das pessoas, em especial dos jovens representados por Vera Brittain ( Alicia Vikander ) seu irmão, noivo e amigos; em meio a tudo isso outras questões sociais são exploradas como as limitações impostas a mulher.
Foto reprodução
Vera luta com o pai para conseguir ir para a universidade, o mesmo julga o investimento um gasto desnecessário, a  sua preparação devia ser para o casamento, homens não iriam querer uma mulher dedicada aos livros, pensamento comum para a época. 
foto reprodução

Justamente a determinação da jovem em querer estudar e torna-se escritora, é o que aguça o interesse do jovem­­­­­­­­­­­­ Roland (Kit Harrington, Jhon Snow de Game of Thrones), ambos protagonizam a história de amor da trama. Relação repleta de tensão sexual, até o toque no outro era limitado o que representa bem a repressão sexual deste periodo, preservar a “virtude” era fundamental, os jovens apaixonados mesmo com a permissão dos pais só poderiam se encontrar na presença de uma dama de companhia. 

Vera entra para Oxford, e faz planos de casar –se com Roland e conciliar o casamento com os estudos universitários. Com o inicio da guerra tudo muda, seus amigos, seu amor, seu irmão assim como tantos outros jovens, vão para o campo de batalha . A partir deste ponto o filme se torna cada vez mais triste,  em um luto continuo, com cenas em tons acinzentados, representando o quanto a guerra afetou a vida das pessoas, que  todos os dias abriam os jornais  com listas intermináveis de mortos, torcendo para não encontrar um amigo parente ou conhecido.
Foto reprodução
Sentindo a necessidade de se fazer útil Vera tranca a universidade e se alista como enfermeira voluntária, onde chega a cuidar tanto de seus aliados como os inimigos de guerra. O que a faz refletir sobre as perdas de ambos os lados, onde ninguém de fato vence.

O filme não poupa o telespectador, não há muitas cenas no campo de batalha, a história se faz nas enfermarias, com cenas de homens mutilados, onde alguns não tem nem a chance de ser atendido por julga-se não haver muito o que fazer, foi o que aconteceu com Roland, o amor de Vera, que avisa que voltaria antes do natal, para casar-se com ela. No dia do casamento quando estava a espera do noivo a jovem recebe a noticia de sua morte.
Foto reprodução
A história resume-se no luto, cada vez as cenas se tornam mais tristes. Assim como o noivo, Vera perdeu o irmão e amigos, assim como tantos outros.  Diante de tanta tristeza e desolação e inúmeras perdas , a jovem começa a lutar contra  o extermínio no qual é a guerra, tornando pacifista.
Foto reprodução
Vale muito apena conferir este filme, que trás causas de engajamento e expõe o drama de uma geração. Sem falar que tem Kit Harrington, com todo o seu olhar charmoso,  e sua cremosidade, hahaha.  Bom filme!

17 agosto 2017

EU

Por Florbela Espanca




Até agora eu não me conhecia,
Julgava que era eu e eu não era
Aquela que em meus versos descrevera
Tão clara como a fonte e como o dia. 

Mas que eu não era eu não o sabia 
E, mesmo que o soubesse, o não dissera... 
Olhos fitos em rútila quimera 
Andava atrás de mim... E não me via!
Andava a procurar-me - pobre louca!

- E achei o meu olhar no teu olhar, 
E a minha boca sobre a tua boca!
E esta ânsia de viver, que nada acalma,
É a chama da tua alma a esbrasear
As apagadas cinzas da minha alma!


Fonte: ESPANCA, Florbela. A mensageira das violetas: antologia. Seleção e edição de Sergio Faraco. Porto Alegre: L&PM, 1999. (Pocket).

08 agosto 2017

AGOSTO DOURADO - LEITE MATERNO É OURO

O mês de agosto é conhecido pela má fama, fatos históricos respaldam a crendice popular. Figuras importantes do meio social e político morrerem nesse período do ano tais como: Marilyn Monroe, Carmen Miranda, Juscelino Kubitschek, popularmente chamado de JK; presidente Getúlio Vargas e no dia 06 de agosto de 1945 o mundo choca-se ao conhecer uma arma em destruição em massa, a bomba atômica lançada sobre a cidade japonesa de Hiroshima por um bombardeiro. Em meio a todos os fatos históricos que o marcam, esse mês tem uma campanha pela vida que poucas pessoas conhecem que merece ser respaldada por encher de beleza um mês tão marcado por tragédias - AGOSTO DOURADO - em prol do Aleitamento Materno.


Foto divulgação


Embora há mais de vinte anos, em agosto, sejam realizadas ações em todo o mundo voltadas para a ação Mundial de Aleitamento Materno. Muitas pessoas ainda desconhecem esse evento e sua importância. O fato deve-se a baixa publicidade em torno da campanha, pois o bem mais precioso o leite materno, tal qual pautado pela a mesma, vale ouro, não precisa de intermédios de grandes empresas, a obra prima é produzida pela própria mãe.

 Em 2017, o tema central é a construção de alianças para proteger o aleitamento materno, pelo bem comum, todos juntos, sem conflitos de interesses, sem nenhum tipo de fins financeiros, a campanha é em prol da vida.
Arena do Grêmio, iluminação especial irá durante a
 Semana Mundial da Amamentação, de 1º a 7 de agosto Foto/ Divulgação Grêmio

Durante todo o mês pontos turísticos, simbólicos, espalhados pelo mundo todo, como o Cristo Redentor, serão iluminados pela cor dourada, com o objetivo de chamar a atenção para esse movimento de incentivo à amamentação como o alimento exclusivo durante os primeiros seis meses de vida, com o objetivo de consequentemente melhorar a saúde dos bebês. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde) e o Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), a amamentação é uma das formas mais eficazes de garantir a saúde e a sobrevivência dos recém-nascidos. Se toda criança fosse amamentada desde o nascimento até os 2 anos, mais de 800 mil vidas seriam salvas anualmente, estimam as entidades.
Foto reprodução

O leite materno é um alimento completo e essencial, é o sangue da mãe sem os glóbulos vermelhos, ele contém hormônios, imunoglobulinas, células de defesa, fatores de proteção, o que é essencial, por reunir as características nutricionais adequadas as exigências nutricionais do bebê. Leite materno é vida, amamentar é um ato de amor.

01 agosto 2017

NEM TUDO É O QUE PARECE, FILME A GAROTA DO TREM


O cinema necessita de uma linguagem mais rápida e precisa, embora nessa precisão perca-se muito da essência da obra original. Mas enfim, entre o livro e o cinema o melhor é não fazer comparações estes possuem distinções. Se você ler uma obra se envolve imagina as situações os personagens e vai com expectativas de ver isso nas telas, não se iluda, lembre-se que você vai ter uma adaptação não uma cópia. O filme desta semana trata-se de uma adaptação.

Foto divulgação


O filme lançando em 2016, é uma adaptação do best-seller, A Garota do trem ( The Girl on the Train) escrito por Paula Hawkins, onde conta a história de três mulheres; Rachel ( Emily Blunt), Megan (Haley Bennett) e Anna (Rebeca Ferguson) que rebelam-se contra pressões masculinas e sociais.

O longa, embora condensado, baseia-se nestes fatos trazendo questões de abuso psicológico, violência de gênero e pressões de maternidade. 
Foto divulgação
A protagonista Rachel , no qual o titulo se refere, por passar boa parte do seu dia no trem, foge a regra, por trata-se de uma alcoólatra desempregada e em estado de degradação social. A mesma sofre com apegações, nos quais deixam espaços na narrativa que impossibilita a compreensão e construção dos fatos. A trama é um verdadeiro quebra cabeças, é literalmente a confirmação de que nem tudo é o que parece

 A história contada de forma não linear lhe prende do inicio ao fim. Através de flashbacks e de forma paralela vamos conhecendo o íntimo das três mulheres, que na verdade são pessoas tristes vitimas de homens opressores. 

Rachel ( A garota do trem) sofre com um divórcio recente, por conta da traição do marido, todos os dias passa por seu antigo bairro onde vive, Tom, o ex-marido agora com nova esposa, Anna e um bebê, o que a frusta pois sofreu muito para aceitar a sua própria infertilidade, o que a levou a desenvolver uma depressão severa e o alcoolismo, antes mesmo da separação. Nessas viagens começa a observar um outro casal, seus ex vizinhos, nos qual transferi sua ideia de felicidade. 

Tudo muda quando Rachel ver da janela do trem a moça ( Megan) beijado outro homem, o que a faz relembrar a traição sofrida pelo marido, a jovem exemplo de felicidade a decepciona, ao vê-la jogar a sua julgada vida “ perfeita” , fora. Nesta mesma noite Megan some, e esse sumiço é o mistério a ser desvendado, com ele várias outras mentiras e fatos obscuros vão sendo descobertos, em um maçante processo de construção e desconstrução da história. 

 O que fica claro ao publico é que Rachel de algum modo esteve relacionada ao sumiço da jovem, mas por conta da bebida e de seus apagões não consegue lembar o que aconteceu.
Foto divulgação
O que houve com Megan? Que relação tem a vida dessas três mulheres? Três histórias, três mulheres muito humanas, cheia de falhas, que tem suas vidas ligadas através de um crime. Saiba mais sobre este mistério, assista ao filme, espero que goste, além do suspense e as sensações causadas, possibilita-nos  profundas reflexões sociais.

20 julho 2017

O PODER É SEU!

O segredo do sucesso está no próprio "eu", não limite-se faça acontecer.


Foto: Hyago Kayann


Em séculos diferentes, mulheres nas mais variadas instâncias lutam pela a liberdade de escolha, uma vanguarda que nos permitiu chegar até aqui; ainda se tem um longo caminho a se trilhar, é fato, mas não podemos fazer o percurso retrógrado. Você tem o poder! O caminho está aberto, antes estávamos presas a decisão de um outro; pai, depois marido e os filhos, não que estes fossem os carrascos na vida da mulher, mas fatores históricos e sociais respaldavam esta condição. Hoje estas situações fazem parte apenas da história do patriarcado, tornando-se arcaica. Ao menos é o que deveria ser.



Vamos sempre ser cobradas sobre ser ou estar, o que vestir o que é julgado uma postura correta ou não, a necessidade de casar-se, ser mãe e tantas outras coisas julgadas ser função natural da mulher. Mais lembre-se a escolha é sempre sua. Fazer sempre o que as pessoas esperam significa viver em função do outro, e quanto a você? A vida fica muito mais leve quando você, eu disse V-O-C-Ê , escolhe o que de fato lhe representa e lhe faz bem.

Não viva em função de agradar o outro, lembre-se o outro é só complemento da sua vida. Não é sobre o que as pessoas pensam de você, é sobre o que você pensa sobre você mesma, só você pode se definir, usamos a máxima que diz: "Minha reputação é o que as pessoas pensam sobre mim, minha consciência é o que de fato sou."

Esse poste é um convite a se fazer a experiência do eu, já rompemos estereótipos e preconceitos, agora se faz necessário valorizar as particularidades, e isso só depende de você, quando decidimos ser feliz consigo mesma sem imposições tudo fica mais leve. Somos livres para fazer nossas próprias escolhas, não se reprima, a conquista do seu espaço só depende de suas atitudes; então, busque, ouse, faça acontecer, pois o poder é seu!

15 julho 2017

KELL SMITH, MÚSICA - ERA UMA VEZ, RESGATANDO O REFINAMENTO NA MPB

Quando ouvi a música; Era Uma Vez, pela primeira vez, fiquei extasiada, queria repetir várias vezes, é esta sensação que uma música boa nos trás.  A artista, filha de um casal de pastores missionários evangélicos,  trás o refinamento na qual vem sendo deixado de lado pela música brasileira.

foto reprodução

Há músicas hoje, que alcançam grandes sucessos e movimentam milhões para o artista e demais pessoas envolvidas, muitas vezes consideradas "músicas chicletes", que em alguns casos nem letra tem no refrão, sendo apenas sons com junções de algumas sílabas, ou rimas previsíveis, em um arranjo com poucas ou nenhuma variação, que podem até durar um ano, um pouco mais ou bem menos na mídia, mas logo caem no esquecimento, pois estas possuem tão pouco conteúdo que tornam-se  descartáveis.


A MPB que faz parte da nossa realidade atual, é apenas voltada para vender, a mensagem o conteúdo a poesia até mesmo a rebeldia trazidas nas músicas de artistas como Cazuza e Renato Russo não ganham respaldo nas composições. Kell Smith de 23 anos que tem como grande influência em sua carreira artistas como Elis Regina, nos presenteia e resgata a qualidade da música brasileira com letras bem escritas e mensagens que envolvem e transportam; é o caso do single - Era uma vez.

 Não queremos e nem podemos desmerecer os artistas no cenário atual, tem algumas exceções. Vale lembrar que valorizar a cultura é bem mais que produzir o que o povo gosta, é fazer o povo gostar do que é bom; se não for produzida músicas mais refinadas, não haverá cultivo do interesse, e de fato existe música boa produzida em longa escala, apenas não ganham tanto espaço na mídia grande influenciadora da cultura de massa.  No entanto hoje temos a internet onde esses artistas podem divulgar seu trabalho, kell smith está no Spotify onde quem tem acesso ao aplicativo pode ouvir mais músicas ,  no youtube e em outras plataformas, também podemos saber um pouco mais sobre a artista.


Kell Smith- foto reprodução


Kell é versátil consegui ir de um extremo a outro sem sair de sua essência. seu primeiro sucesso - Respeita as Mina; "[...]Respeita as mina/Toda essa produção não se limita a você/Já passou da hora de aprender/Que o corpo é nosso nossas regras nosso direito de ser".  Possui caráter mais intenso e engajada em uma mistura de rip hop com pop.

Em Era uma vez a artista trás o seu lado doce, falando de saudade de um tempo que não volta mais, onde as dores eram mais simples.



"[...]Dá pra viver Mesmo depois de descobrir que o mundo ficou mau
É só não permitir que a maldade do mundo
Te pareça normal
Pra não perder a magia de acreditar na felicidade real
E entender que ela mora no caminho e não no final
É que a gente quer crescer
E quando cresce quer voltar do início
Porque um joelho ralado
Dói bem menos que um coração partido
É que a gente quer crescer
E quando cresce quer voltar do início
Porque um joelho ralado
Dói bem menos que um coração partido."


Em entrevista a rádio NOVA BRASIL FM a cantora fala sobre suas inspirações para compor a música :
Na realidade “Era uma vez” surgiu de uma conversa em casa, porque eu tenho uma equipe de composição, eu falo… Eu tenho minha empresaria, minha assessora, minha backing vocal… Então, como eles moram comigo, na maior parte do tempo, nós compomos juntos. A música era para ser sobre saudades, só que ai todo mundo começou a falar sobre a saudade da infância, sobre como era bom antes de ter crescido como todo mundo quer e “Era uma vez” surgiu desse pensamento em comum, tava todo mundo falando tanto da mesma coisa, do mesmo ponto, que não tinha como escrever sobre saudades de uma outra forma, ai surgiu “Era uma vez”.

Se você ainda não ouviu falar de Kell Smith, ainda vai ouvir, música boa deve ser valorizada e divulgada a jovem com seu talento já começa a deixar de ser promessa para ser realidade no cenário musical brasileiro.

09 julho 2017

ENVELHECER É UM MAL NECESSÁRIO; FILME A INCRÍVEL HISTÓRIA DE ADALINE

Após um longo período sem postagens, voltamos com o filme da semana. 


Estou em falta com o blog. Admito. Mas em respeito aos amigos leitores e seguidores, tenho que fugir da rotina e vir aqui produzir conteúdo. Recebi algumas críticas quanto a falta de publicações regulares e a respeito dos ultimos textos julgado rasos e de baixa qualidade. Agradeço a essas pessoas, críticas são sempre bem vindas; mas devo admitir que estou tentando passar informações mais rápidas sendo sucinta nas publicações, textos longos não são muito atrativos, hoje a maioria das pessoas preferem o youtube à sites e blogs, a prática da leitura está cada vez mais limitada.

Foto divulgação
Sem mais delongas vamos a dica de hoje. O filme da semana chama-se A Incrível história de Adaline ( The age for Adaline) lançado em 2015. Este trás uma excelente reflexão quanto a busca da perpetuação da juventude e longevidade, algo almejado pela maioria das pessoas em especial as mulheres. Adaline Bowman  personagem título interpretada por Blake Lively, não se inclui necessariamente nesse grupo.

 Na década de XX, casada e com uma filha pequena, Adaline tem sua vida transformada após tornar-se imortal e permanecer com a aparência de 29 anos em consequência de um grave acidente aliado a fatos climáticos  segundo a lógica da trama, minuciosamente narrado com uma explicação meio absurda o que dá um toque de ficção científica ao filme.
Foto divulgação
A jovem mãe, acaba se isolando por receio de ser vista como uma anomalia, e fechando-se ao amor. O filme tem um inicio espetacular com narrador  fazendo as introduções, mais ao fim resume-se a mais uma história de amor, com um final previsível.  Mas vale apena assistir, e refletir que envelhecer é um processo natural e necessário, Adaline vive quase oito décadas, mas isso significou perder pessoas, e não passar pelos estágios natural da vida ao lado de pessoas amadas e queridas, como sua filha, com quem compartilhava seu segredo, que aparece representada nos tempos atuais com idade de ser sua avó.

Se ainda não lhe convence, para quem gosta, o filme trás o glamour do estilo vintage. Adaline atravessa as décadas sem perder seu estilo as roupas o cabelo foi muito bem pensado para manter a essência da personagem. E ainda como não poderia faltar quando se fala em vintage, tem Lana Del Rey com a música Life is Beautiful na trilha sonora,  música produzida exclusivamente para o filme.  

Para saber mais,mergulhe nessa surpreendente história, assista ao filme.Espero que goste da dica, uma ótima semana a todos!