30 outubro 2016

PADRÕES SÃO CONCEITOS OPRESSORES DA LIBERDADE DE EXPRESSÃO.

Padrões  só geram preconceitos  excludentes e opressores, que nos afetam físico e psicologicamente, definições rasas, apenas limitam nossa liberdade.

Foto: Hyago Kayann




Não me prendo a nada que me defina. sou companhia, mas posso ser solidão. tranqüilidade e inconstância, pedra e coração. Sou abraços, sorrisos, ânimo, bom humor, sarcasmo, preguiça e sono. Música alta e silêncio. Serei o que você quiser, mas só quando eu quiser. Não me limito, não sou cruel comigo! Serei sempre apego pelo que vale a pena e desapego pelo que não quer valer… Suponho que me entender não é uma questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em contato. Ou toca, ou não toca.

(Clarice Lispector)

Nada que nos define, nos representa de fato.


Perdemo-nos no labirinto dos padrões e preceitos que regem nossas vidas. Lembrados a todo instante de como devemos ser e agir,  acabamos por esquecer-se de quem somos, o que nos define, e o que de fato nos faz bem. 

Somos condenados por demonstrar amor demais, amor de menos, rir de mais,  rir de menos, pelo o que fazemos ou deixamos de fazer, usamos ou deixamos de usar... Vivemos em um mundo onde tudo é dosado, onde todos vivem em função de equilibrar a vida do outro para que não derrame ou falte algo. Esse é o problema, ninguém vive sua própria vida de fato.

Vivemos a base de opiniões, que embora afirmemos que não nos afetam, (por uma necessidade de defesa), de fato afetam e muito.  Saber lhe dar e filtrar certos comentários e atitudes  não é tarefa fácil porém de algum modo temos que nos impor,  e fazer valer o que somos e o que queremos.

Orgulhe-se de ser quem é,  independente das objeções, preconceitos e imposições, seja alta  baixa, gorda, magra ... O importante é aceitar-se

Minha roupa, meu cabelo, meu corpo, minha forma de pensar e agir... Tudo isso é uma  expressão. E se a liberdade de expressão é garantida por lei, por que somos tão censuradas?
Natália Serra-  Foto: Arquivo pessoal

Natália Serra aos 31 anos sente-se em uma das fases mais seguras de si, diz que mesmo incomodando-se as vezes com alguns comentários, sabe lhe dar com isso. Atualmente Natália assumiu um estilo mais despojado começando pelo cabelo, o que lhe deixou ainda mais bonita. Recebeu  elogios, porém por estar inserida em um meio extremamente conservador a mudança rendeu muitas criticas.  Sobre o cabelo ela afirma:

Foi uma mudança bem drástica, o meu corte de cabelo definiu muito minha personalidade ultimamente. Nós sabemos que estamos em um mundo de pessoas uniformizadas pelos padrões midiáticos , pela simplicidade, autenticidade e principalmente a naturalidade, coisas cada vez mais valorizadas. A intenção do meu corte é mostrar meu verdadeiro eu, minha identidade, é como se eu estivesse desprendida desses padrões clichês da sociedade.  Hoje, não existe uma marca mais distinta em mim que o meu cabelo.                       

Muitas pessoas as vezes falam: "Nossa, porque cortou ?". E eu digo :" Foi uma escolha, como se eu fosse escolher uma roupa pra vestir, isso não quer dizer que vou mudar minha essência por causa de um corte.

Assim como Natália que possamos sentir-se seguras de ser quem somos independente da opinião do outro. Não prenda-se a definições que são apenas alusões do que você é, não se renuncie, não seja cruel com você, seja o que quiser como quiser e quando quiser. Vista-se de você!